O Manifesto de Transporte de Resíduos (MTR) foi instituído em Santa Catarina em 2010, pela Lei nº 15.251 de 2003. É um sistema online que permite ao órgão ambiental, no caso de Santa Catarina ao IMA, monitorar a geração e destinação dos resíduos em tempo real.

 Com o manifesto as empresas precisam declarar os resíduos gerados, transportados e destinados no sistema. Assim o IMA consegue rastrear e verificar as falhas e erros na destinação de resíduos. Principalmente em regiões onde não há muitas empresas que realizam a destinação final de resíduos. Sob o mesmo ponto de vista, é uma excelente maneira de verificação das regiões que possuem potencial para reaproveitamento, reciclagem e incentivo a logística reversa.

O preenchimento do MTR é obrigatório. Dessa forma é possível garantir que os resíduos não sejam descartados e destinados de forma inadequada, ao passo que toda a movimentação fica registrada no sistema do MTR. O Instituto de Meio Ambiente de Santa Catarina realiza o monitoramento da movimentação dos resíduos nas rodovias juntamente com a Policia Rodoviária e também realiza auditorias no destinador.

Logo ao constatar qualquer irregularidade, os órgãos aplicam sanções e emitem o auto de infração.

Quem é obrigado a emitir o MTR?

Geradores, transportadores, armazenador temporário e destinador dos resíduos precisam realizar o cadastro no sistema do MTR. São responsáveis os seguintes empreendimentos:

  • Geradores: Empresas geradoras, importadoras ou exportadoras de resíduos;
  • Armazenador Temporário: Empresa que apresenta uma instalação com licenciamento ambiental para a realização de armazenamento temporário de resíduos.
  • Transportador: Empresas que somente realizam o transporte de resíduos de terceiros.
  • Destinador: Empresas que recebem os resíduos como destino final.
  • Geradores/Destinadores: Empresas que geram e também recebem resíduos de outras empresas.
  • Gerador/Transportador: Empresas que geram e também transportam resíduos.    
  • Gerador/Transportador/Destinador: Empresas que geram resíduos, mas também realizam o transporte e são o destino final dos resíduos.

Contudo não são todos os resíduos gerados que precisam da declaração do MTR. A principio são os resíduos que precisam de uma destinação ambientalmente correta, locais que fazer a reciclagem e classificação de resíduos e resíduos de esgotamento sanitário domiciliar.

 Além disso não é necessário declarar os resíduos domésticos, embalagens e óleos lubrificantes e embalagens do tipo refil.

 Logo após realizar o cadastro no sistema, o gerador emite do MTR, contendo todas as informações a respeito dos resíduos gerados e qual será o caminho que mesmo irá realizar até chegar na destinação final. Acima de tudo a empresa que gera o resíduo tem a responsabilidade de emitir o Manifesto de Transporte de Resíduos.

Como emitir o Manifesto de Transporte?

Antes de mais nada é necessário verificar se todos os envolvidos na gestão dos resíduos, geradores, transportadores e destinadores, estão cadastrados no sistema online.

Para o cadastro, é informada todas as características da carga, como origem, quantidade, qual será a forma de armazenamento e qual o tratamento final. Além disso é nessa etapa que as empresas informam todos os dados do transporte.

 O gerador informa quando e qual empresa irá transportar o resíduo. Juntamente com o nome do motorista responsável pela coleta do resíduo e placa do veículo. Posteriormente ao receber a carga o transportador confirma as informações apresentadas no MTR preenchido pelo gerador. Estando tudo de acordo realiza a baixa do documento no sistema.

 O transportador deve sempre estar com uma via impressa do MTR, sendo de responsabilidade deste apresentar a guia sempre que solicitado pelos fiscais.

Da mesma forma o destinador é responsável por emitir o Certificado de Destinação Final (CDF). Como resultado o destinador confirma e garante ao gerador que o resíduo recebeu destinação correta e ambientalmente adequada.

Em suma o objetivo desse sistema é garantir que cada etapa da movimentação dos resíduos seja atestada e documentada, através do monitoramento. Evitando dessa maneira que haja o descarte incorreto.

5r Bolsa de Valores Condomínio construção civil Consultoria Ambiental Crime ambiental economia circular Educação Ambiental efluentes EIV ESG esgoto ESI Estudo de Impacto de Vizinhança Estudo Simplificado de Impacto EVI Floripa se liga na rede gestão de resíduos ibama Laudo de Ruído legislação Lei ambiental lençol freático Licenciamento Ambiental licença ambiental mata ciliar meio ambiente MTR nível do lençol onde descartar outorga PEV PGRS PGRSS potencial poluidor prazo preservação reciclagem Resíduos Serviços siout-sc Sistema de Esgoto Sustentabilidade teste de cor tratamento efluentes